Metodologias




A Ekos Social desenvolveu um conjunto de metodologias de cálculo e de monitoramento, reporte e verificação das reduções de emissões. Estas metodologias podem ser utilizadas pelos Proponentes de projetos especiais para que seja possível calcular o potencial do projeto de reduzir emissões de GEE.



Para utilizar a metodologia, o Proponente precisará apenas informar alguns dados sobre o seu projeto durante o preenchimento da ficha de inscrição. Estes dados permitirão que a equipe da Ekos Social calcule o potencial de redução de emissões.



Veja abaixo a lista de metodologias disponíveis. Clique no nome da metodologia para conhecer as informações necessárias para utilizá-la em seu projeto.



Aplicável para projetos de energia eólica, energia solar e Pequenas Centrais Hidrelétricas.



Informações necessárias para o cálculo do potencial de reduções de emissões:

  1. Localização do projeto (município)
  2. Quantidade de energia gerada pelo projeto (em KWh), desde o início da operação do projeto.
  3. Previsão da energia a ser gerada pelo projeto (em KWh) para, ao menos, os próximos cinco anos.


Informações necessárias para o monitoramento do projeto (caso seu projeto seja selecionado no Edital):

  1. Quantidade de energia gerada pelo projeto (em KWh) para cada ano a ser monitorado.
  2. Fator de emissão de CO2 do sistema elétrico que atende a cidade onde o projeto está localizado para cada ano a ser monitorado.

Aplicável para projetos de eficiência energética (limitado a projetos em estabelecimentos agropecuários).



Informações necessárias para o cálculo do potencial de reduções de emissões:

  1. Consumo específico de energia elétrica e de combustíveis fósseis dos processos produtivos modificados pelo projeto. É necessário determinar o consumo específico destes processos antes e depois da implantação do projeto.
  2. Produção anual dos processos produtivos modificados pelo projeto no ano a,  desde o início da operação do projeto.
  3. Previsão da produção dos processos produtivos modificados pelo projeto para, ao menos, os próximos cinco anos.

Informações necessárias para o monitoramento do projeto (caso seu projeto seja selecionado no Edital):

  1. Produção anual dos processos produtivos modificados pelo projeto no ano a, para cada ano a ser monitorado.
  2. Consumo total de energia elétrica e de combustíveis fósseis dos processos produtivos modificados pelo projeto.
  3. Registro de que as medidas e/ou tecnologias foram implantadas e estão operando como previsto pelo Proponente de Projeto
  4. Fator de emissão de CO2 do sistema elétrico que atende a cidade onde o projeto está localizado para cada ano a ser monitorado.

Aplicável para projetos de tratamento de resíduos (limitado à compostagem de resíduos orgânicos).

Informações necessárias para o monitoramento do projeto (caso seu projeto seja selecionado no Edital):

  1. Tipos de resíduos destinados à compostagem.
  2. Quantidade anual processada na compostagem (em Kg) de cada tipo resíduo, desde o início da operação do projeto.
  3. Previsão da quantidade anual de resíduos a ser processada para, ao menos, os próximos cinco anos.
  4. Destino de cada tipo de resíduo antes da realização do projeto (implantação da composteira).
  5. Informações técnicas da composteira, como tempo de retenção dos resíduos e mecanismos para aprimorar a compostagem.
  6. Destino final do composto produzido.

Informações necessárias para o monitoramento do projeto (caso seu projeto seja selecionado no Edital):

  1. Quantidade anual processada na compostagem (em Kg) de cada tipo resíduo, para cada ano a ser monitorado.
  2. Informações técnicas da composteira, como tempo de retenção dos resíduos e mecanismos para aprimorar a compostagem.
  3. Quantidade anual de composto produzida (retirada da composteira)
  4. Destino final do composto produzido.

Aplicável para projetos de troca de combustível e de biomassa renovável



Informações necessárias para o cálculo do potencial de reduções de emissões:

  1. Consumo específico de combustíveis fósseis dos processos produtivos modificados pelo projeto antes da implantação do projeto.
  2. Produção anual dos processos produtivos modificados pelo projeto no ano a,  desde o início da operação do projeto.
  3. Previsão da produção dos processos produtivos modificados pelo projeto para, ao menos, os próximos cinco anos.
  4. Consumo específico de combustíveis fósseis, eletricidade e/ou biomassa renovável  dos processos modificados pelo projeto depois da implantação do projeto.

Informações necessárias para o monitoramento do projeto (caso seu projeto seja selecionado no Edital):

  1. Produção anual dos processos produtivos modificados pelo projeto no ano a, para cada ano a ser monitorado.
  2. Consumo total de energia elétrica e de combustíveis fósseis dos processos produtivos modificados pelo projeto.
  3. Registro de que as medidas e/ou tecnologias foram implantadas e estão operando como previsto pelo Proponente de Projeto
  4. Fator de emissão de CO2 do sistema elétrico que atende a cidade onde o projeto está localizado para cada ano a ser monitorado.

Aplicável para projetos de agricultura e agrofloresta (limitado à implantação de Sistemas Agroflorestais)



Informações necessárias para o cálculo do potencial de reduções de emissões:

  1. Bioma onde se encontra o projeto de SAF.
  2. Tipo de vegetação presente antes da implantação do projeto de SAF (Pastagem, Lavoura permanente, Lavoura temporária ou Regeneração natural).
  3. Tipo de manejo dos pastos e cultivos agrícolas (cana de açúcar ou resíduos das lavouras). – Queimadas controladas ou não?
  4. Se for o caso: Quantidade de biomassa que é queimada. Para pastagem e cana de açúcar em hectares e para resíduos das lavouras em toneladas por hectare.
  5. Estágio da regeneração natural presente na área do SAF (inicial, Médio ou Avançado).
  6. Tamanho da área do Sistema Agroflorestal – Lavoura permanente, Lavoura temporária e Reflorestamento (restauração florestal e/ou plantio comercial) em hectares.
  7. Ano de início do Sistema Agroflorestal, separadamente (se for o caso) das lavouras e reflorestamentos.
  8. Quantidade e tipo de NPK, Uréia e Calcário utilizado nas lavouras (toneladas por hectare).
  9. Quantidade e tipo de NPK, Uréia e Calcário utilizado nos reflorestamentos (toneladas por hectare) – Implantação e manutenção.
  10. Tipo de reflorestamento: reflorestamento de conservação (espécies nativas) ou comercial (exóticas ou monocultura de nativas).
  11. Duração da implantação do reflorestamento, em meses.
  12. Número de mudas totais utilizadas na implantação do reflorestamento.
  13. Espécies arbóreas utilizadas (Nativas, Exóticas (Eucalipto, Pinus, outra) e Monocultura nativa).
  14. Tipologia da vegetação (florestal) natural dominante da região do projeto.
  15. Quantidade de combustível fóssil consumido na etapa de implantação e manutenção do SAF (em litros ou m³).
  16. No caso de plantios florestais comerciais: Quantidade de anos da rotação da floresta comercial, Quantidade de madeira a ser explorada nos desbastes da floresta comercial e Quantidade de madeira a ser explorada no final da rotação da floresta comercial (em m³ por hectare).

Informações necessárias para o monitoramento do projeto (caso seu projeto seja selecionado no Edital):

  1. Mapeamento georreferenciado do SAF, apresentado os limites da propriedade, da área do projeto e dos diferentes usos do solo.
  2. Inventário florestal completo do projeto da lavoura permanente, restauração florestal e plantio comercial, (resultados mais importantes em m³ por hectare e toneladas de matéria seca por hectare) no ano do monitoramento (fim do primeiro período de verificação). Terá que ter ART de Engenheiro florestal.
  3. Consumo de fertilizantes utilizados no primeiro período de verificação.
  4. Consumo de combustíveis fósseis no primeiro período de verificação.
  5. No caso de plantios florestais comerciais: Quantidade de madeira que foi explorada nos desbastes da floresta (em m³ por hectare) e, se for o caso, a quantidade de madeira que foi explorada no final da rotação da floresta comercial (em m³ por hectare) - até o ano do monitoramento.

Aplicável para projetos de restauro florestal com espécies nativa



Informações necessárias para o cálculo do potencial de reduções de emissões:

  1. Bioma onde se encontra o projeto de restauro florestal.
  2. Tipologia da vegetação (florestal) natural dominante da região do projeto.
  3. Superfície da área do projeto de restauração florestal (em hectares).
  4. Tipo de vegetação presente antes da implantação do projeto de restauro florestal (Pastagem, Lavoura permanente, Lavoura temporária ou Regeneração natural).
  5. No caso de haver regeneração natural na área do projeto, informar o estágio (inicial, médio ou avançado).
  6. Tipo de manejo da pastagem e cultivos agrícolas (cana de açúcar e resíduos das lavouras)  –Queimadas (se houver).
  7. Quantidade de biomassa queimada: Pastos (em hectares), Cana de açúcar (em hectares) e Resíduos de lavouras (em toneladas/hectare).
  8. Data de início e duração da implantação do reflorestamento.
  9. Espaçamento do plantio ou número de mudas totais utilizadas na implantação do projeto.
  10. Quantidade e tipo de NPK, Uréia e Calcário utilizado no projeto (implantação e manutenção).
  11. Quantidade de combustível fóssil consumido na etapa de implantação e manutenção.

Informações necessárias para o monitoramento do projeto (caso seu projeto seja selecionado no Edital):

  1. Mapeamento georreferenciado da restauração florestal, apresentado os limites da propriedade, da área do projeto e dos outros usos do solo.
  2. Inventário florestal completo do projeto da restauração florestal, (Resultados mais importantes em m³/hectare e toneladas de matéria seca /ha). Terá que ter ART de Engenheiro florestal.
  3. Consumo de fertilizantes utilizados no primeiro período de verificação.
  4. Consumo de combustíveis fósseis no primeiro período de verificação.